A Tolerância dos Portugueses

“O vírus teve o azar de encontrar pela frente um povo experimentado e um Governo capaz”, diziam os socialistas em Junho do ano passado. O presidente da república falava no “milagre português” e o primeiro-ministro transbordava confiança. O Trump era maluco e o Bolsonaro um genocida: “aquilo no Brasil é que está muito mau” ou “a Suécia optou pela política errada” eram as frases que se ouviam e liam mais na comunicação social, repetidas pelo povo vezes sem conta.

De repente, vivemos num estado absolutamente calamitoso, como o país com maior número de casos e mortes per capita. As funerárias sem mãos a medir, os Hospitais acima da linha vermelha e o caos generalizado no SNS. E não podemos esconder a razão deste estado de coisas: um Governo incompetente e incapaz de controlar o povo. Com decisões erradas, tardias, inércia e falta de liderança, o Governo foi levado pelos acontecimentos e deixou que o vírus se espalhasse de forma desoladora. O Trump era maluco mas os seus piores números fazem-nos inveja e nos dias com mais mortes, o “genocida” Bolsonaro teve menos de metade dos nossos atuais números per capita.

A comunicação social, que sempre sustentou este Governo, ainda não o abandonou. A ministra da saúde deu ontem uma entrevista na RTP3 perante um jornalista tímido e os seus melhores momentos puderam ser reproduzidos hoje. As escolas vão ser fechadas e logo os números, posso apostar, vão aparecer miraculosos.

Tudo isto que aconteceu foi o sintoma de algo que venho a falar há muito: a corrupção generalizada no Estado, o nepotismo vergonhoso existente nas mais altas esferas governamentais, a oligarquia que gere o nosso país e controla o que é feito, dito e pensado. Se continuarmos a tolerar isto, vamos deixar aos nossos descendentes um país irremediavelmente pior do que aquele que os nossos ascendentes nos deixaram. Os pobres e os sem voz vão continuar a crescer. E um dia as esmolas dos países ricos deixarão de cair, pelo que nem o cartão de militante ou a cunha do papá salvarão o que resta da classe média e média-alta. Talvez nessa altura haja uma reação concludente do povo que tudo tem suportado e sido repetidamente abusado pelas ideologias e pelos políticos.

One comment

  1. O mundo todo teve que aprender a “adaptar -se” as novas mudança que surgiram por conta da pandemia do coronavírus. O Brasil ainda sente os resquícios de uma crise sanitária que dizimou muitas vidas. A negligência nos bateu a porta, de modo que, não tivemos do governo a resposta necessária para solucionar parte de suas urgências. Resultado: decrescemos em todos os sentidos. Os nossos políticos brigam mais por suas cadeiras do que pelo direto do povo.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s