As verdadeiras feministas

Oitenta anos depois do Holocausto, o antissemitismo foi ressuscitado por um progressismo com um ódio cego a Israel e aos Estados Unidos, o que o faz defender o indefensável: os talibãs, os terroristas palestinianos, o Hamas e as sociedades autocráticas islâmicas. A comunicação social, cada vez mais controlada por esta esquerda radical, deixou há muito de noticiar os crimes contra a humanidade contra quem resiste no meio da crueldade e do totalitarismo. Israel, a luz que ainda está acesa no meio da escuridão obscurantista, passou a ser o inimigo de uma esquerda que não olha a meios para atingir os fins.

No Irão está a acontecer a maior revolução feminista deste século. Já viu ou leu alguma notícia sobre isto nos noticiários, jornais ou redes sociais? Não, claro que não. Vivemos num mundo onde a comunicação social é controlada e os influenciadores digitais são crianças a quem foi feita uma lavagem cerebral progressista e liberal, entre garrafas de vinho de cem euros e o ódio freudiano à sociedade patriarcal. De entre estas é que estão as feministas conhecidas, elitistas com salários chorudos, a venerar o Che Guevara e a Frida Kahlo, enquanto escrevem artigos e teses de doutoramento sobre o empoderamento das mulheres, o direito dos homens que menstruam e o ódio à sociedade patriarcal. Lá longe, mais ainda do que a distância real até ao Irão,ba jovem Asra Panali, de 16 anos, foi espancada até à morte na própria escola por se recusar a cantar um hino pró-regime.

Só porque não apareceu nos noticiários das oito ou no programa dos comentadeiros da moda, não quer dizer que não tenha acontecido. E não, não é uma teoria da conspiração. Se procurarem um pouco em sites independentes e agências internacionais sérias, podem ver vídeos impressionantes dp que se está a passar no Irão e como raparigas e mulheres estão a desafiar corajosamente um poder que lhes diz como vestir e onde ir e o que fazer e com quem casar e que sonhos não podem ter. Ás autoproclamadas feministas ocidentais não interessa saber se estas mulheres têm um tratamento muito pior do que os seus animais de estimação. Na verdade, o melhor é nem sequer pensarem na jovem de 22 anos, Mahsa Amini, morta na prisão depois de ter sido presa por uso incorreto do véu islâmico. Estas pessoas, nascidas mulheres e que menstruam, são as minhas heroínas que me comovem até às lágrimas. Vivem, lutam e morrem por uma vida melhor, por uma liberdade que sempre demos por garantida e que lhes é vedada por radicais nojentos sem honra. Não lhes interessa o lixo ideológico das feministas portuguesas e ocidentais. Não lhes interessa a politica ou o poder. Mas o seu grito de liberdade, embora silencioso na comunicação social, é ouvido por toda a gente que é sensível à justiça e que ama a humanidade.

Ler o artigo completo no Observador:.
http://observador.pt/opiniao/as-verdadeiras-feministas/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s