Geração Rasca

Nestes tempos, muito se tem falado das escolas públicas e privadas e ratings e disciplinas obrigatórias de cidadania. Resolvi por isso mesmo contar a minha história pessoal, aluno de escolas públicas e com um percurso semelhante à grande maioria dos portugueses. Passei a infância e adolescência numa vila piscatória que hoje é uma das maiores metrópoles portuguesas, mas que só passou a cidade quando eu estava na terceira classe. Lembro-me desse dia porque não houve aulas. Estávamos nos anos oitenta, uma época muito diferente de agora e que os jovens de hoje acham que era como o que vêem nos filmes e séries americanas. Mas era completamente diferente. A maior parte das crianças era pobre mas a escola não estava dividida em estratos sociais. Eu vivia numa casa grande e os meus colegas moravam quase todos em pequenas ilhas sem privacidade ou condições, mas isso não nos dividia. Jogavamos futebol na rua, brincavamos na rua, andavamos de bicicleta, viviamos aventuras, até que ao fim do dia as mães começavam a chamar da janela para ir jantar. Stephen King escreveu na sua primeira novela que “nunca mais temos amigos como aqueles que tivemos naquela idade” e ele tem toda a razão.

A disciplina na escola era dura. Levavamos reguadas por tudo e por nada, por isso tinhamos uma técnica especial para não doer tanto: a mão não podia ficar muito aberta nem com os dedos flácidos, o melhor era deixar numa posição reta até aquela dor aguda irromper. Toda a gente na turma estremecia a cada reguada, mais ainda do que aquele que apanhava. No entanto, não eramos coitadinhos, não nos fazíamos de coitadinhos e certamente não nos sentíamos vítimas de coisa alguma, muito menos da sociedade. Ninguém nos tentava meter ideias ou ideologias na cabeça. O dia mais político do ano era o dia da árvore.

O ciclo significava o início de grandes mudanças. Uma escola maior, com vários professores e disciplinas, um período de aulas diárias mais longo. Para mim, num local mais longe e com algumas turmas de alunos mais velhos que não eram nada amigáveis: tinham o dobro da nossa altura e força. Os próprios professores tinham medo deles. Aprendemos que a turma tinha de permanecer unida se eles fossem agressivos com um de nós. A necessidade de sobrevivência ensina lições sobre o trabalho em equipa que nenhum coach de hoje consegue explicar.  Começamos a ter aulas de religião e moral, sendo que o único que não ia era porque os pais eram Testemunhas de Jeová e não deixavam. Mas quando percebemos que podíamos faltar sem que os pais fossem avisados, quase ninguém hesitou em optar por ir jogar à bola ou outra coisa qualquer. Só um par de colegas iam e claro que eram gozados. Não havia palavras como bullying ou assédio, mas tudo era motivo de troça maldosa e exagerada, às vezes violenta: usar óculos, usar aparelho nos dentes, ser gordo, ser magro, ser alto, ser baixo, literalmente tudo.

Com o secundário veio uma época diferente: a adolescência. Estávamos todos a mudar, crescer e prestes em padecer de uma doença incurável e crónica: a idade adulta. Nem toda a gente chegava ao sétimo ano: só aqueles que queriam mesmo estudar. Por isso, o ambiente era mais pacífico. Também o país começava a receber dinheiro da CEE e a cidade a crescer desalmadamente. O sistema escolar começou a ficar mais organizado e a organizar-nos em hierarquias, áreas, ambições, testes psicotécnicos. Estavamos a ficar domesticados e o nosso último grito de revolta foram as manifestações contra a PGA.

Leia o artigo completo no Observador: https://observador.pt/opiniao/geracao-rasca/

One comment

  1. Muita gente não entendeu a expressão e nem se deu ao trabalho de procurar o seu significado. “Geração rasca” foi uma expressão utilizada por Vicente Jorge Silva num editorial, a respeito das manifestações estudantis de 1994 contra as provas globais de acesso. Esta expressão ficou como símbolo de contestação e rivalização de valores entre gerações. Para mim (e todos os que comigo participaram nesta pequena revolução) tornou-se uma expressão de orgulho de pertença.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s