A economia portuguesa para totós

Vivemos num país onde grande parte dos empresários não sabe o que é ser um bom empresário: acham que é ser mais esperto do que o vizinho, a política comercial baseia-se numa negociação que significa enganar a montante e jusante, a política fiscal é tentar escapar aos impostos e a maioria sobrevive apenas pelo baixo custo do fator trabalho. A maior porção dos empreendedores não sabe o que é ser empreendedor: acham que é ter uma ideia brilhante de uma mente genial, que todos romantizam ser a sua, para depois vendê-la a alguém desprevenido. A ideia de que a produtividade é o problema da economia portuguesa é vendida sistematicamente pelos gurus: o trabalhador lusitano é preguiçoso em solo nacional, mas quando emigra é fantástico. Mas observemos um pouco a realidade. Recentes notícias na comunicação social dizem que “faltam mais de 40 mil trabalhadores na hotelaria e restauração.” Depois vamos a qualquer site de emprego e lemos as ofertas para a área: “ajudante de cozinha com ganho acima da média”. Logo no título conseguimos ver dois erros típicos: quando falam em ganhar acima da média, a maioria divide o salário mínimo anual em doze e apresentam esse valor como o mensal, sem dizer nada no anúncio sobre incluir os subsídios de férias e natal; quando se fala em “ajudante de cozinha” é todo o empregado que não é cozinheiro, ou seja, uma espécie de indiferenciado que é desvalorizado e pode ser rapidamente substituido. Mais ainda, este salário mínimo é realizado através de dois turnos de trabalho, um à hora de almoço e outro à hora de jantar, o que perfaz muito mais de oito horas diárias e só com uma folga por semana. Entretanto, o plano de recrutamento do setor seria, também segundo as notícias, ir buscar “jovens à procura do primeiro emprego” e “intercâmbio Portugal-Brasil”. Ou seja, ir buscar pessoas desprevenidas ou abusar da aflição de emigrantes. E esta é a narrativa da maioria dos gestores portugueses em termos de recursos humanos, não só na restauração, como nos chamados setores mais “tradicionais” da economia portuguesa, do têxtil ao calçado, da construção ao mobiliário – onde os salários são mais baixos. A ideia não é atrair e reter talentos, investir na formação e apostar na qualidade. Sejamos realistas, só não vê quem é cego: a intenção é sugar até ao tutano trabalhadores precários e mal-pagos, para depois esperar que eles façam milagres.

Ler o artigo completo no Observador:

https://observador.pt/opiniao/a-economia-portuguesa-para-totos/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s