As Eleições por Partido

PS
Hoje de manhã a imprensa nacional exultou de alívio, assim como muitos detentores de tachos, cunhas a afins por esse país fora. O partido dos donos disto tudo ganhou com maioria absoluta. Hoje em dia, a política é feita de estudos e sondagens. E o PS sabia o que fazia quando nao cedeu um milímetro nas negociações do orçamento. Apanhou o PSD e o CDS em crise de liderança, enfraqueceu a extrema-esquerda e triunfou. A última vez que os socialistas tiveram maioria absoluta foi com Sócrates e sabemos todos no que deu. Hoje recomeça com a sua equipa. Vamos ver no que vai dar ou a ingenuidade de votar no mesmo e esperar um resultado diferente.

PSD
Quando Rio começou o discurso de derrota a proclamar vitória pelas contas da campanha estarem corretas, vimos que se trata de um economista, não de um politico. A imagem cinzenta do técnico de contas certinho, que tentou transformar nesta campanha recorrendo ao humor, não se dissociou dele. Era tarde demais. Talvez fosse o melhor primeiro-ministro que pudesse sair das eleições e certamente o melhor ministro das finanças. Mas perdeu e deve sair com humildade e ajudando a construir um PSD equilibrado e pujante.

Chega
Foi o segundo maior vencedor das eleições e teve um resultado por(ventura) irrepetível. Tal como a IL, teve o profundo erro e mau gosto de cantar vitória, quando o partido socialista conseguia uma maioria absoluta. Fez transparecer a ideia de que é mais importante o partido do que a população portuguesa que jura defender. Ventura ainda tentou dizer que “ainda não se tem a certeza absoluta se o PS vai ter maioria absoluta”. Mas certeza já havia. E nao, Dr. Ventura, onze ou doze deputados do Chega não vão fazer a diferença no Parlamento, porque há uma maioria do PS que pode dizer e desdizer, fazer e desfazer. O Chega ganhou muito, mas Portugal perdeu muito mais.

IL
Cedo começaram os festejos da Iniciativa Liberal, como se tivesse ganho as eleições. Muito mal. É o retrato de um partido que veio para mudar a politica portuguesa, mas que foi mudado pela politica portuguesa. Tornou-se aquilo que sempre disse que odiava: um dos donos disto tudo, sujeito ao seu poder e às suas pressões. As eleições autárquicas no Porto foram uma antecâmara disto. Foi um momento triste e marcante ver o presidente da IL a cantar vitória em euforia com os seus, minutos antes de Costa fazer o discurso da maioria absoluta. Se o Chega é o partido do populismo boçal, o IL é o partido do populismo intelectual, que aceita as explicações anacrónicas e sem rigor. Ou não fosse a intelectualidade portuguesa fã do Harry Potter, que considera o Nicholas Sparks um vulto da literatura mundial e o Valter Hugo Mãe um escritor genial. É a intelectualidade de mangas arregaçadas, com a profundidade de uma carica e os valores flexíveis, sem alma ou raça.

BE
O momento de maior alegria pessoal foi verna descida traumática dos bloquistas, de 19 para 4 deputados. Em dois anos, Catarina Martins e as gémeas Mortágua conseguiram destruir aquilo que construiram. Da “obsessão por cargos” a ignorarem os problemas e ataques, à espera que milagrosamente desaparecessem. Cometeu o erro fulcral de colocar a IL como principal oponente, num primeiro tempo e só tarde demais se voltou para o Chega. Pior ainda, deu sempre a ideia que era o braço armado do PS, com inimigos comuns e aptos a fazerem o acordo que não fizeram no orçamento de estado chumbado. Desastre infantil atrás de terramoto incompetente, espera-se um Bloco que consiga expurgar Catarinas e Mortáguas, voltando ao foco para que foi criado.

CDU
Não é possível esconder mais que o partido comunista está a morrer. Tem teimado em resistir, muitas vezes com um trabalho autárquico competente, mas o rejuvenescimento veio tarde demais. E as ideias neomarxistas são mais atraentes do que a religiosidade do PCP. De derrota em derrota, a descida tem sido constante e virá o dia em que acontecerá o mesmo que o CDS.

Livre
É um partido aborrecido, plástico, com os métodos da esquerda radical e que parece inspirado na pior esquerda europeia ou da américa latina. É a extrema-esquerda que vive num mundo diferente, parece estar sempre num mundo à parte, num surrealismo sem racionalidade. De vez em quando eleva uma bandeira do racismo ou do neocolonialismo e sempre o popular ambientalismo. É vazio. Um balão cheio de nada. Da Joacine ao Rui, é o pior populismo de esquerda, disposto a dançar com o poder sempre que lhe der jeito.

PAN
Falei sempre sobre o ambientalismo pueril deste partido. Que nunca foi de pessoas, era de alguns animais e com certeza não era da natureza nem natural. Num tempo recorde, Inês Sousa Real e companhia destruiram um partido, mas o que é fato é que basta um alfinete para despedaçar um balão só com ar dentro. Por muito pouco foi eleita deputada, mas se continuar no partido será caricato. Ou o PAN começa tudo de novo, agora com rigor científico e racionalidade, ou não vale a pena existir.

CDS
Escrevi há pouco tempo um artigo para o Observador sobre a incongruência de se ser democrata-cristão num dia e liberal no outro, mas parece que este foi o sentido de muitos votantes. Também fiz uma análise global sobre o CDS. Na altura disse o que tinha a dizer e reafirmo que o principal culpado nao é Rodrigues dos Santos. Os principais culpados foram os antigos deputados e líderes, foi a aristocracia do CDS feita de arrivistas e novos-ricos sem valores democratas e muito menos cristãos. Já há muito tempo que digo que não podem existir tantas facções num partido pequeno, tantas guerras e tanta arrogância. Há males que vêem por bem. Agora só há duas hipóteses: ou ressuscita mais forte ou morre.

Outros
É muito difícil o trabalho dos outros partidos. Sei por experiência. Quando há apenas um debate em sinal aberto com toda a gente a falar ao mesmo tempo, é difícil sobressair de forma positiva e impossível que isso tenha impacto. A questão é que era expectável que nenhum dos “outros”, que não tiveram inúmeros debates entre líderes partidários, tivesse mais de um por cento. É um problema da democracia portuguesa, sem dúvida, que se quer moderna, participativa e mais próxima dos cidadãos. E dá a noção de que o CDS, PAN e Livre foram francamente incompetentes nos debates, não aproveitando o tempo de mainstream. Mas urge uma mudança urgente neste modelo, para que tenhamos uma democracia um pouco menos imperfeita.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s