PAN – O Triunfo dos Porcos

“Quatro pernas bom, duas pernas mau”

Dizem-me repetidamente que não devia desvalorizar o PAN, mas confesso que é difícil levar este partido a sério: entre a superficialidade com que encara os temas sérios do ambientalismo e a puerilidade com que aborda as questões dos animais de estimação – afinal o seu grande público-alvo. Quem nunca ouviu dizer, no café ou nas redes sociais, “tenho um cão, por isso voto PAN”. É desta trágico-comédia em que se tornou a política nacional, onde o motivo do voto é tão extraordinário como o fa abstenção, que se instalou e sobrevive o PAN. É o “triunfo dos porcos” de mangas arregaçadas.

Mas a ascensão do PAN veio deste sentimento geral de benevolência para com o constante disparate, a falácia irracional e o repúdio pela ciência. Talvez seja mesmo a altura certa para desmascarar o simplismo aparentemente indolor deste partido, que é afinal uma máquina de desinformação com um marketing localizado e que satisfaz as necessidades de ativismo de um nicho de população sem grande preocupação entre o que é verdade ou fantasia.

O discurso do PAN é completamente desenquadrado da realidade portuguesa, não é para um país pobre e com graves carências sociais como Portugal. Mais impostos ambientais, aumento dos custos das empresas ou falar de consumo desenfreado e crescimento económico insustentável poderia parecer até de profundo mau gosto, com o grau de subdesenvolvimento, miséria, falta de competitividade e dificuldade de crescimento, que toda a gente conhece. Mas falar de ciência económica com quem tem as bases dos seus programas saídos de artigos tipo “Reader’s Digest” é injusto, por isso vou apenas sublinhar o que deveria ser óbvio: é fundamental um equilíbrio entre natureza e homem, respeito por todos os seres vivos e defesa intransigente do ecossistema – isto deve começar a nível local, nos sítios onde há maior concentração de pessoas, onde os espaços verdes são essenciais, assim como a harmonia entre jardins públicos e construção humana. Também não podemos deixar arrastar a questão grave da poluição, principalmente atmosférica, que em cidades como o Porto está muito acima do considerado normal e que num futuro próximo trará graves consequências para a saúde da população. Estes e outros pontos foram alguns dos que constaram do meu programa para a Câmara da Invicta e que a comunicação social optou por ignorar. Até compreendo, porque 99% da população prefere ver vídeos de gatinhos ou cãezinhos com o símbolo do PAN, a um texto longo como este.

Mas é preciso sublinhar que votar PAN é acreditar nas teorias de conspiração que envolvem produtos biológicos e transgénicos, ou na eficácia das terapias alternativas na Saúde, como a homeopatia Não lhe basta ser populista e ignorante na ecologia, agropecuária, energia ou ambiente. Além de não trazer soluções para produtores ou benefícios para consumidores, as propostas para a economia são uma nulidade anedótica. Tal como tenho vindo a insistir, o problema nem é da impreparação ou incompetência dos “políticos” do PAN, mas da fragilidade de quem escolhe votar com base em chavões ridículos ou cartazes frívolos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s